De carona

0
1414
Rodrigo, da AES: ferramenta de retenção

Todos os dias às 5h da manhã, Monica Pereira Silva, analista de RH da AES Brasil, segue a mesma rotina. Pega o ônibus fretado oferecido pela empresa, senta-se no primeiro banco e vai ao trabalho tranquilamente ouvindo música. Rotina bem diferente da que tinha há três anos, quando precisava pegar ônibus e trem e demorar duas horas e meia para chegar ao escritório. Além de reduzir esse tempo – hoje ela demora pouco mais de uma hora – ela viaja em um ônibus confortável, com ar-condicionado, wi-fi e televisão. Até travesseiro e cobertor ela tem se precisar. “Antes chegava ao trabalho sempre correndo. Mal conseguia tomar café”, lembra. Seu dia a dia começa às 7h e termina às 16h, hora em que também pega o fretado para ir para casa. Segundo ela, além do conforto, o benefício a ajudou no trabalho em si. Hoje tem mais disposição e consegue organizar as tarefas melhor. Monica é apenas uma entre os tantos funcionários da AES que utiliza o ônibus fretado, disponibilizado desde 2012 pela empresa.

Ao mudar sua sede da Vila Olímpia, zona sul de São Paulo, para Barueri, a companhia precisou repensar sua logística. Para não correr o risco de perder os funcionários que precisaram se transferir, a empresa implementou 25 linhas de ônibus fretados que contemplam todas as zonas de São Paulo. Para isso, foi estabelecido também um novo horário de trabalho, das 7 às 16 horas, puxado para mais cedo e descolado do período de maior pico no trânsito, para que as pessoas pudessem usar o benefício e aproveitar melhor o tempo em atividades pessoais.

Hoje, 75% dos funcionários da sede utilizam o serviço. Com o objetivo de atender à necessidade de todos, além dos ônibus que saem às 5h e voltam às 16h, há linhas alternativas para quem precisar voltar mais cedo ou sair mais tarde. “Temos ônibus às 15h e 19h que vão da sede até a estação Barra Funda do metrô”, explica Rodrigo Porto, gerente de RH da empresa. No horário do almoço, há uma linha de fretados para o centro comercial de Barueri.

Diminuir o trânsito

O fretamento é uma das soluções possíveis para ajudar a diminuir os problemas de congestionamento nas grandes cidades, segundo uma pesquisa da Associação Nacional de Trans­­porte Público (ANTP) e da Fede­­ração das Empresas de Trans­­por­­tes de Passageiros por Fret­­amento do Estado de São Paulo (Fresp). De acordo com o estudo, trata-se da modalidade de transporte público que encontra mais aceitação que metrô e ônibus. O levantamento aponta que 97% dos usuários de fretamento consideram o serviço bom ou excelente, deixando-o atrás apenas do transporte individual, que tem 98% de aceitação. O metrô vem em terceiro lugar, com 96%. O deslocamento extenso faz com que as pessoas gastem horas de seu dia no trânsito – o que causa estresse e cansaço.  Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 18,6% dos empregados da região metropolitana de São Paulo levam mais de 1 hora por dia somente na ida de casa para o trabalho. “O funcionário fica longe do estresse do congestionamento e do desconforto de outros transportes. Ele chega descansado, com mais disposição e pronto para o trabalho. Na volta para casa ainda sobra tempo e disposição para o lazer e, principalmente, para curtir a família”, afirma Lísia Prado, professora da Saint Paul Escola de Negócios. Mas, segundo ela, não é só o trabalhador que ganha com um transporte de qualidade: ao chegar tranquilo e descansado, ele pode trabalhar melhor, gerando produtividade para a empresa que também ganha com a valorização da imagem e a redução do absenteísmo. “Acredito que se a empresa não oferecesse o fretamento, muitos deixariam a companhia”, ressalta Monica, da AES.

Dentro da cultura

Na AES, o fretado veio junto com um novo jeito de trabalhar, que contempla ainda a possibilidade de home office, horário de trabalho diferenciado e ambientes mais abertos – tudo pensando na qualidade e bem-estar dos profissionais. “Sabemos da deficiência do transporte público e de quanto o tempo passado no trânsito desgasta e compromete a produtividade”, afirma Rodrigo. A BIC, localizada em Cajamar, é outra empresa com esse pensamento. Oferecidos desde abril de 1995, esses ônibus são disponibilizados a todos os funcionários interessados. A ideia é melhorar a mobilidade e oferecer mais um benefício a todos. Atualmente, cerca de 120 funcionários usufruem desse serviço. Eles pegam o fretado por volta das 6h para chegar à empresa 07h45, e saem às 17h24 com chegada ao destino final às 19h30. O fretado abrange as cidades de São Paulo, Cajamar, Jundiaí, Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista, Salto, Itu e Itupeva. “Ele pode ser utilizado por todos colaboradores, efetivos e temporários – estagiários e aprendizes”, afirma Henrique Gonzalez, diretor de RH da empresa. Segundo ele, a qualidade de vida e retenção de talentos é uma preocupação constante da área. “Assim, nada melhor do que investir em benefícios e segurança, para transmitir esse cuidado com as equipes”, diz. E os funcionários não têm do que reclamar. Daisy Galafassi, analista de administração de vendas pleno da BIC, há seis anos na empresa, se diz satisfeita. “Além de ser um meio de locomoção rápido e confortável, não corremos o risco de ter problemas com atrasos ou com greves no transporte público”, afirma. Ademais, recentemente houve uma reformulação nas linhas dos fretados, o que trouxe a ela uma redução de uma hora em deslocamento.

Estudo residencial

 Mariane, da ADP: estudo comparativo

Há 15 anos, quando a ADP, empresa de soluções de tecnologia para gestão de capital humano, saiu de Campinas para ir para São Paulo, na zona oeste, fez um levantamento de dispersão do endereço residencial dos colaboradores que ficavam mais concentrados perto do endereço anterior. Preocupada com que isso afetasse a produtividade dos profissionais ou, até, os fizesse deixar a empresa, decidiu mudar a forma do benefício transporte, acrescentando o ônibus fretado como opção. Mariane Guerra, vice-presidente de RH da ADP, explica que foi feito um estudo comparativo de custos sobre o benefício obrigatório de vale-transporte para 100% das pessoas ou a substituição de parte dele por algumas linhas fixas de ônibus fretado em regiões em que a companhia tem maior densidade de colaboradores. “Os valores eram comparáveis e os fretados dão mais qualidade de vida ao colaborador, então decidimos implantá-lo”, lembra. Segundo ela, todos os colaboradores, estagiários e jovens-aprendizes que não utilizem vale-transporte ou vaga de estacionamento na empresa podem utilizar o fretamento. “O colaborador deve escolher um dos três benefícios no momento da contratação. A alteração do benefício fica sujeita a disponibilidade, mas em geral não temos problemas em acomodar”, afirma.

Para atender a todos, a empresa possui linhas para funcionários que vêm de fora de São Paulo, como Campinas e Santos. E os profissionais estão bem satisfeitos com o serviço. “Eles o valorizam bastante, especialmente em uma cidade complexa como São Paulo, que está sujeita a muitas variáveis não gerenciáveis, como trênsito, enchentes, protestos e greves”, diz Mariane. De acordo com ela, o fretado sempre oferece um pouco mais de flexibilidade, pois os colaboradores da mesma linha podem combinar rotas alternativas. Isso sem falar no conforto e aproveitamento do tempo – em vez de ficar parado no congestionamento, estressado, pode ler um livro ou dormir. “Ter um fretado exclusivo da sua empresa traz segurança e conforto. Posso aproveitar para ler um livro ou usar o notebook para trabalhar ou navegar na internet, além de poder descansar no dias mais puxados”, afirma Viviane Pereira, consultora de treinamento da empresa, que utiliza o serviço há nove anos.

Interação no fretado

A interação entre as pessoas também melhora. Rodrigo, da AES, reforça que depois da implantação dos fretados, pessoas de áreas diferentes começaram a se falar mais. “Vejo-os marcando happy hours e conversando no café”, diz. Segundo ele, isso acabou aproximando funcionários que não se falariam no escritório por serem de áreas e projetos diferentes. “Temos um grupo no WhatsApp para conversar e, até, avisar se algo acontecer, como o fretado atrasar. Nos preocupamos uns com os outros”, afirma Monica.

Seja para unir a equipe, seja para melhorar a produtividade e dar mais qualidade de vida aos profissionais, a questão é que disponibilizar ônibus fretados traz muitas vantagens. De um lado, o funcionário ganha em conforto e tranquilidade de não ter de pegar transporte público ou passar horas dirigindo; de outro, a empresa ganha em produtividade e em melhoria no clima organizacional. No fim, todos se beneficiam.

Leia mais: Em meio ao debate sobre mobilidade, ter um carro como benefício ainda é visto como status 

comentários