Maioria dos líderes estão despreparados para o mundo digital

    0
    1131

    IMD e metaBeratung apresentam quatro dicas para que
    os líderes estejam preparados para o mundo digital

    O Global Center for Digital Business Transformation, iniciativa tomada pela escola IMD junto com a consultoria de RH metaBeratung, localizados na Suíça, identificaram quatro competências e três comportamentos que líderes de empresas precisam para se destacar na era digital. Uma nova matéria, Redefining Leadership for a New Digital Age, apresenta os resultados de uma pesquisa global feita com mais de 1.000 executivos de diferentes setores.

    Em novos tempos, os líderes enfrentam momentos de mudanças tecnológicas que estão atraindo os líderes de diferentes indústrias, e com isso acabam surgindo interrupções no modo de atuar das empresas. 92% dos líderes disserem estar sentindo os efeitos da interrupção digital, com um terço classificando essa alteração como “muito significante”.

    Apesar do ritmo acelerado da inovação digital, menos de 15% dos líderes disseram estar “muito preparados” para atender às demandas de um ambiente de negócios digitalmente perturbado. A maioria dos entrevistados (80%) indicaram estar “iniciando os preparativos” ou estavam “bastante preparados” para enfrentar essa interrupção digital.

    A pesquisa a seguir revela:

    • Menos de 20% dos entrevistados indicaram que as tecnologias digitais, como analíticas, mídia móvel e social, estão totalmente integrada em suas corporações.
    • 30% dos participantes raramente ou apenas ocasionalmente utilizam ferramentas digitais.

    Devido o entendimento da importância da digitalização, o relatório descreve as seguintes competências HAVE como os mais importantes critérios de sucesso para os líderes diante de uma paisagem caracterizada por ruptura digital:

    • Humilde – Em uma era de mudança rápida, saber o que você não sabe pode ser tão valioso em um contexto empresarial como saber o que você faz. Os líderes digitais precisam de uma certa dose de humildade, e uma vontade de buscar insumos diversos dentro e fora de suas organizações.
    • Adaptável – Em um ambiente complexo e em mudança, a capacidade de adaptação é crítica. O alcance global das tecnologias digitais abriu novas fronteiras para as organizações, reduzindo as divisões continentais intransponíveis e apagando as fronteiras tradicionais entre territórios. Lidar com os impactos culturais e empresariais disto requer adaptabilidade.
    • Visionário – Em momentos de profunda ruptura, clareza e direção racional encontram-se necessária. Ter uma visão clara, mesmo na ausência de planos detalhados, é uma competência essencial para os líderes digitais.
    • Engajado – Visões de pintura para o futuro, comunicar com êxito essas visões e ser adaptável o suficiente para mudá-las, requer um engajamento constante com as partes interessadas. Este amplo desejo de explorar, descobrir, aprender e discutir com os outros é tanto uma mentalidade, quanto é um conjunto definível de atividades centradas nos negócios ou comportamentos

    Estes executivos envolvidos digitalmente são chamados de Agile Leaders (líderes ágeis)- aqueles que adaptaram e evoluíram sua prática para um ambiente continuamente interrompido por tecnologias digitais e modelos de negócios. Quase metade (42%) dos identificados como Agile Leaders disse que estavam tomando decisões de negócios mais informadas como resultado de uma coleta bem direcionada de dados, análise eficaz e bom senso.

    O relatório identificou as seguintes práticas adicionais que os líderes ágeis adotam em um ambiente de negócios com rupturas digitais:

    • 26% dos líderes ágeis usam ferramentas digitais com freqüência, em comparação com apenas 7% dos líderes não ágeis.
    • 32% dos líderes ágeis procuram abordagens disruptivas para lidar com desafios (1% de líderes não ágeis).
    • 28% dos líderes ágeis usam redes virtuais e fóruns (1% de líderes não ágeis).
    • 76% dos líderes ágeis encorajam sua equipe a desafiar suas observações e opiniões (19,4% de líderes não ágeis).
    • 27% dos líderes ágeis utilizam simulações de negócios ou cenários para apoiar decisões (1% de líderes não-ágeis).
    • 26% dos líderes ágeis assumem riscos para acelerar a execução (4% de líderes não ágeis).

    As descobertas baseiam-se em pesquisa anterior do Global Center for Digital Business Transformationque demonstrou a importância da Digital Business Agility – um conjunto de meta-capacidades que descrevem a prontidão de uma organização para navegar nas águas agitadas da rápida tecnologia e mudança de modelo de negócio. A pesquisa foi realizada através de entrevistas em profundidade com líderes de ambas as organizações incumbentes e start-ups perturbadoras.

    comentários