O poder do protagonismo na carreira

0
3400
Muitas vezes, sem perceber, reclamamos de situações externas que estão fora do nosso controle. Quando temos esta postura, acabamos ensinando nossas equipes e nossos filhos a se tornarem experts em reclamação, desenvolvendo a mania de culpar os outros ao invés de buscar soluções para atingir os melhores resultados, seja para a empresa ou para suas próprias vidas.
O poder do protagonismo na carreira, Por Carla WeiszOs bens materiais, a posição social, o trânsito, a política, o chefe, a economia, a concorrência, o câmbio, entre outros, são fatores externos que não podemos controlar. Só que muitas vezes reclamamos disso ou daquilo e, sem perceber, deixamos que essas queixas dominem nosso próprio espírito, pois esquecemos que a única coisa que está sob nosso controle somos nós mesmos.
Em situações como essas, o protagonista deve direcionar sua energia na busca de uma solução. Um exemplo: você reconhece que seu concorrente está melhor preparado e dedica-se a aprender o que ainda não sabe sobre o mercado.
Claro que nem sempre é fácil evitar o que sentimos, há dias em que as situações se complicam e comprometem nossos planos. Aí ficamos realmente desolados. Mas se queremos atuar como protagonista, devemos escolher como agir em relação aos nossos sentimentos e aos desafios que aparecem em nosso caminho.
Temos duas opções de atitude perante uma dificuldade: podemos ficar reclamando sem parar, ou então ir atrás de uma solução e transformar essa reclamação em Ação.
Sabe qual a principal qualidade do protagonista? A humildade. Reconhecer que não sabe lidar com os desafios da vida e buscar o aprendizado, ver a si próprio como parte de um processo, e não como um produto acabado, é se manter aberto para aprender ou até mesmo desaprender.
Levar a vida com atitude de protagonista traz vários benefícios: aumenta a chance de realização pessoal; possibilita uma visão realista do que “EU” posso mudar ou influenciar; maior assertividade nas escolhas.
Uma frase poderosa que aciona o protagonista é: “O que eu ainda não fiz que, se passar a fazer, vai aumentar minhas chances de ter bons resultados?” Quando uma empresa ou uma pessoa têm atitude e mente de protagonista, a energia do trabalho se transforma: das queixas para as soluções; da busca de culpados para a responsabilidade compartilhada; do conformismo para a criatividade; da defensividade para a cooperação; da reatividade para a proatividade.
Cada um de nós pode ser responsável pelo mundo que deseja viver. Agir, sempre. Acomodar, nunca.
Carla Weisz, consultora, escritora, educadora e palestrante. Autora da obra recém-lançada “O Dono da História”.

comentários