O propósito da mudança

0
1186

Especialistas discutem os impactos da transformação digital junto ao RH

Flexibilidade e mobilidade. Palavras cada vez mais comuns no ambiente corporativo, ao lado de outros conceitos como transformação digital – aliás, todas estão relacionadas. Nos dias de hoje, a nova força de trabalho tem mais acesso à internet e a diferentes tecnologias que favorecem a produtividade e a satisfação profissional com a adoção crescente do trabalho remoto. Mas qual é o papel do RH nesse cenário? Onde está a estratégia e o ganho para empresas? Todos estão prontos? Como a tecnologia pode favorecer essa relação? Para responder a essas outras questões, a Cisco realizou na manhã desta quinta-feira, em São Paulo, um encontro com líderes de RH.

Andrade, da Aon: engajamento
Andrade, da Aon: engajamento

Participaram, também, Tatiana Shedd, gerente sênior de RH da Cisco Brasil e América Latina, Christian Bustamante, gerente de desenvolvimento de negócios da empresa, Pablo Marrone, consultor de soluções digitais na Cisco, e Bruno de Andrade, consultor sênior da Aon Consulting.

Das apresentações de cada um deles, a necessidade de a área de RH liderar a mudança na empresa ficou bem clara. “É preciso criar uma mudança que vá além dos Millenials. É necessário criar uma cultura diferente, que deve se basear em inovação em cada passo, permanente. A inovação não descansa”, afirmou Marrone.

Marrone, da Cisco: inovação
Marrone, da Cisco: inovação

Mas ao falar de mudança, o que chama a atenção em primeiro lugar? Como mudar. Seria uma resposta? Sim, mas talvez a não mais apropriada, como traduziu Andrade, da Aon. Na verdade, o porquê mudar é o ponto basilar para um processo com bons resultados. E a essa razâo (ou porquê) podemos dar o nome de propósito. Uma grande fonte de engajamento. “Os comportamentos do engajamento podem ser percebidos por alguns aspectos. O primeiro se refere ao falar. Ou seja, as pessoas engajadas falam positivamente sobre a empresa, dentro e fora dela”, diz. O outro aspecto é o intenso desejo de fazer parte da organização. “E o terceiro comportamento está ligado ao esforço extra, contribuindo para o sucesso do negócio”.

Tatiana aproveitou o momento para levar aos convidados algumas das mudanças realizadas pela Cisco nos últimos anos, já em função dessa mudança proporcionada pelo uso da tecnologia. “Criamos um ambiente físico e virtual para nossos colaboradores”, conta. Tudo para que cada um se sinta bem e produtivo.

EriKa Szabo, consultora da Cisco, e Bustamante terminaram o encontro apresentando a Cisco Spark, plataformas de comunicação instantânea que permite a comunicação via chat, áudio, vídeo, além de compartilhamento de dados e a integração com outras aplicações.

Tatiana, da Cisco: práticas
Tatiana, da Cisco: práticas
COMPARTILHAR
Artigo anteriorManter os custos com saúde em dia
Próximo artigoUniversidade corporativa da Vale é premiada em Paris
Gumae Carvalho é editor de MELHOR – Gestão de Pessoas, revista oficial da ABRH. Antes, também trabalhou nas revistas Educação e Ensino Superior. Foi professor na Faculdade Cásper Líbero (onde se formou em 1993), assessor de imprensa, consultor editorial e um dos criadores do fanzine (e depois revista) Panacea.

comentários