Para o país brilhar novamente

0
368
Leyla Nascimento / Crédito: Divulgação
Leyla Nascimento é presidente da ABRH-Brasil / Crédito: Divulgação

Não é difícil perceber, nos dias de hoje, que muitas empresas passam por momentos de grandes desafios. Em uma economia que patina, buscar alternativas que contribuam para a perenidade de uma organização não é uma tarefa simples e demanda, em muitos casos, decisões extremamente difíceis. Mas são situações que, se bem compreendidas e analisadas, podem contribuir para além da sobrevivência de uma companhia.

As empresas que buscam apenas sobreviver poderão ver seu esforço cair por terra ao final deste período de crise.  Ao ter em mente que toda crise é cíclica, podemos pensar que uma organização que não promova uma mudança em sua forma de encarar o mundo, as pessoas e os modelos de gestão poderá não ter as ferramentas e estratégia mais apropriadas para encarar um novo período de nuvens carregadas no mercado.

A atitude de pensar apenas em sobreviver pode ser interpretada como não aprender com o momento e descartar a oportunidade de deixar de lado conceitos e práticas que já não fazem mais sentido – em alguns casos, há muito tempo.

Como se preparar para uma crise? Não há uma receita de bolo, ou algo como os passos fundamentais para não ficar pelo caminho. Cada caso é um caso. Mas em todas as situações, temos a certeza de que a área de RH deve estar alerta e usar toda a sua inteligência emocional e de negócios para equilibrar pessoas e core business. Como um artista, deverá ajudar a criar um novo cenário, um novo roteiro, a construir uma nova empresa.

Nesse processo, nós, profissionais de RH, não devemos nunca nos esquecer dos objetivos que movem a organização e balizar seus propósitos, ou até mesmo rever os atuais e traçar um novo caminho, integrando as pessoas que, juntas, fazem uma empresa ser maior do que a soma de cada uma das competências que cada colaborador entrega. Pois são os propósitos claros e fortes e o engajamento de todos que irão levar as organizações a se reinventarem e a viverem mais e em abundância. E a partir dessa corrente esperamos sensibilizar outras e mais outras empresas, em uma agenda propositiva, para que nosso país brilhe novamente.

Leyla Nascimento
presidente da ABRH-Brasil

comentários