Quem não se comunica…

    0
    1845

    Você já teve a sensação de ter uma ótima ideia na cabeça e um projeto nas mãos e, ao mesmo tempo, um bloqueio mental e verbal para expor isso às pessoas- chaves? Ou ainda: já esteve em meio a uma DR (abreviação moderna para “discutir a relação”) e preferiu se calar por intuir que a outra parte não seria capaz de te entender?

    O pior de tudo é quando você não tem opção e quase sua vida toda está em jogo em um determinado momento, e o seu resultado dependerá do que será dito verbalmente ou exposto de forma não verbal em um projeto, ou em uma abordagem ou mesmo em milésimos de segundos nos quais você será apresentado a uma pessoa decisiva para o seu sucesso. Terrível, eu sei…

    Mas qual o segredo para atingir o sucesso, o respeito, aquela reputação incrível ou, ainda, ser desejado em todas as rodas ou consultado para os grandes assuntos? Qual o segredo para sair ileso de uma crise que começou com uma calúnia? Como algumas companhias, ou mesmo pessoas, em meio a uma situação de crise total, ainda se saem tão bem que ficam melhores do que quando entraram? Vale dizer que algumas até se tornam financeiramente bem-sucedidas, tamanha é a capacidade de aproveitar seus breves 15 minutos. Sorte? Acaso? Destino?

    Treinamento? Sim, treino. Como para todo bom militar, esportista ou artista, o grande momento chega após anos de preparo. Bem, agora você deve estar se questionando e dizendo a si mesmo que tal empresa ou tal pessoa teve mesmo sorte com a mídia e assim ela se fez. Será? Quanto realmente você sabe sobre essa pessoa ou organização para ter tanta certeza? Sobre os hábitos desse personagem e os anos de obstinação em relação a algum desejo ou vontade, quanto você conhece?

    A pergunta que persiste então é: como não ser refém disso tudo ou de você mesmo? E mais: até que ponto é possível controlar ações, reações e resultados? Como aproveitar tudo o que você tem em mente e potencializar as grandes ideias, expondo-as de maneira clara, segura, cativante, entusiástica a ponto de, quando você chegar ao fim, ser como se ouvisse aplausos?

    Enxergue a oportunidade
    Apegar-se ao verbo e achar que tudo que você precisa é uma chance de falar pode ser uma aposta fraca. Apenas 7% do que você comunica está no campo verbal. O restante, os 93% que você comunica, divide-se em 38% gestos e 55% entonação. Mas isso, meu amigo, se você estiver em pessoa, e nem sempre você estará. O que nos chama ainda mais para a ação, para ficarmos espertos em identificar o que é que fala sobre nós e como fala.
    Bem, em vez de entender tudo isso como um problema, a sacada é entender a oportunidade que reside aí e enxergar quão democrática a comunicação pode ser com todos nós. Além de onipresente, ela não leva em conta raça, cor, credo ou tipos de personalidades, pois dá a chance de todos nós nos expressarmos, e bem, se estivermos ligados ao que está acontecendo. Cores, gestos, texturas e palavras. Tudo comunica. A comunicação está por toda parte e em tudo que fazemos. Ela é inerente ao ser humano. Falando ou não. Nossa roupa, acessórios, nosso corpo… É impossível não se comunicar. Mesmo em sua ausência, seus traços de comportamento falam também sobre você.

    Construa relacionamentos duradouros
    Relacionamento é, sem dúvida, a palavra da vez. Ela é uma das top 5 entre as palavras mais acessadas nos anos recentes nas buscas na internet. Dos planos de negócios mais rebuscados aos mais simples, chegando às campanhas publicitárias, o termo em questão busca aproveitar todas as facilidades do mundo moderno e suas possibilidades quanto aos produtos e serviços de toda natureza para a construção ou manutenção dos relacionamentos.

    Bem, utilizando a metáfora de um jardim, sendo as pessoas as sementes, as várias possibilidades que as plataformas (inclusive digitais) nos oferecem não passam de instrumentos para a jardinagem e nada, absolutamente nada, acontece se não houver o cultivo, o lidar com a terra, a consideração do tempo que determinadas mudas levam para florescer e o cuidado do jardineiro para que as mudas não estraguem, não fiquem demais expostas à luz ou encharcadas a cada regadura. Há muitas variáveis para o jardim dar certo e não são as ferramentas, mesmo as mais modernas, que darão conta do seu sucesso – na verdade, algumas podem até mesmo estragar o jardim. Delegar o sucesso do jardim à aquisição das ferramentas, portanto é “furada”.

    Da mesma forma, achar que mais de mil amigos em alguma rede social é sinônimo de relacionamento de qualidade pode ser um grande engano e você talvez esteja sendo iludido com a quantidade de conexões e não a qualidade delas. Quer ver? Na última semana, quantas ligações, mensagens ou e-mails você fez ou enviou mostrando real interesse em alguém, denotando sua estima por essa pessoa ou quanto você torce para que as coisas encontrem um caminho ideal para ela? Talvez seja uma boa ideia adicionar à sua semana pelo menos dois contatos desse nível e, ao final do ano, você terá feito excelentes conexões, abrirá portas para si mesmo e para essas pessoas que muitas vezes podem ser conectadas a outras pela sua simples iniciativa e, lá na frente, você pode ser beneficiado por alguém que queira lhe retribuir isso.

    Mantenha seus dedos sob controle
    Se você tem mais de 30 anos, provavelmente foi ao menos uma vez na vida advertido por um adulto a manter sua boca fechada, ou ouviu aquele pequeno provérbio popular que diz que “o peixe morre pela boca”. Pois bem, o mundo mudou e o peixe continua morrendo pela boca, mas há impérios sendo estraçalhados pelos dedos. Talvez você não saiba: mais de 80% das crises nas organizações nascem internamente e, portanto, nós, que fazemos as organizações, somos os responsáveis por dar vez e voz a uma informação ou inflamação que poderia ser contida se não fosse o envio daquele famigerado e-mail, se não fosse copiar a mensagem de alguém e enviar a outra pessoa ou, mais simples ainda, se não respondesse instantaneamente àquela mensagem de aplicativos como WhatsApp, que poderia contar com mais reflexão e calma da sua parte.

    Isso sem falar das fotos, imagens e tudo mais que pode acontecer com essa rapidez voraz na troca de mensagens diárias. O interessante é que tanto nas organizações quanto em nossa vida pessoal e familiar, a lógica é a mesma. Você pode começar uma guerra ou terminá-la com o simples mexer dos seus dedos em um dos seus letais devices – por mais óbvio que isso possa parecer!

    E aí eu pergunto: quantas vezes durante a semana ou durante o mês você faz exercícios de respiração ao iniciar o dia? Quantas vezes você já leu sobre seus impulsos emocionais mais instintivos e como pode controlá-los? Definitivamente, não será em meio a uma situação extrema a melhor hora para você respirar e treinar o controle emocional e nesse momento seus dedos pensarão por você, sua mente decidirá o que fazer e, provavelmente, lá na frente ou pouco à frente caberá a você se lamentar, administrar e tentar superar a crise ou no mínimo o arrependimento de ser porta-voz da desgraça com a mensagem ou a informação que deveria ser evitada ou pelo menos refletida.

    Esteja pronto e preparado
    Por mais determinação, garra e vontade que tenhamos para fazer nossos projetos decolarem, não basta estar pronto – você precisa estar preparado! A sua clareza, sua verdade e toda a inteligência que coloca em sua vida e em seu trabalho dependem basicamente de como você explicita seus raciocínios sobre algo, especialmente se for um projeto que você está defendendo para alguém ou para um grupo de pessoas.

    Você não quer e nem vai cair no erro de ficar desacreditado ou de falar coisas sobre as quais não fez uma análise mais profunda, não testou e tampouco mediu a eficácia. E é sempre possível medir, criar ambientes de testes, gerar dados que comprovem aquilo que você está defendendo ou até mesmo que mostrem outra direção. O grande barato é verificar o quanto as pessoas estão dispostas a serem ouvidas sobre algo. Você pode colher feedbacks, criar uma pequena pesquisa sobre o assunto para então endereçá-lo melhor em vez de bater no peito e colocar à mesa a sua verdade, até porque, segundo Platão, ela sequer existe. Então vale a pena estar pronto e preparado para aquilo que você fala, defende, cria, desenvolve e oferece.

    Seja relevante com você e com os outros
    Quando eu ainda era executiva nas organizações pelas quais eu passei, costumeiramente eu dizia para meus funcionários quando indagada sobre algo que eu precisava avaliar melhor: “Bem, vou me reunir comigo mesma e voltaremos a falar sobre isso”. Sim, eu faço reuniões comigo mesma até hoje. São momentos incríveis em que encaro o assunto e trato-o.

    Nessas oportunidades, defino comigo mesma o tempo que dedicarei àquilo, à pauta e ao objetivo que quero alcançar no tempo que dedicarei ao assunto. Registro minhas ideias e a provável solução à qual cheguei. Dessa forma, procuro garantir que fui atenciosa e relevante comigo mesma e com assuntos de que eu preciso cuidar pessoalmente.

    Já reparou como uma grande quantidade de pessoas não resolve seus assuntos ou não conclui o que deve ser concluído? Sinceramente, ainda vejo pessoas que lutam com a caixa de e-mails. Se você luta com sua caixa de e-mails, precisa definitivamente criar métodos para prezar pelo dia, e um tempo regular consigo mesmo pode ajudar. E se o assunto for reunião, já que estamos nesse tema, desnecessário dizer quantas reuniões desprezíveis há nesse mundo, e aí chegaremos à grandiosa questão e também à palavra do momento, a tal produtividade.

    A produtividade, queridinha da vez, em muito depende da comunicação também. O dia em que as pessoas souberem definir a relevância das reuniões, presenciais ou não, em grupos de mensagem instantânea ou outros formatos, estaremos próximos de atingi-la. Nesse ponto, gosto de lembrar dos americanos. Eles começam a reunião na hora em que deve começar e não sentem necessidade de comentar sobre o tempo, o trânsito, a crise ou sobre algum assunto do momento, pois sabem que o que está em jogo ali é o tempo, e como eles bem dizem: time is money, baby!

    Para resumir este item, assuntos sem respostas ou sem fechamento desrespeitam o tempo, seu e de outras pessoas, e a improdutividade que isso gera, além de causar uma grande má impressão sobre você, certamente o afasta ainda mais de fazer com que “o mundo o entenda e que seus projetos aconteçam”.

    Organize-se
    Já sabemos que o jogo da alta performance e da conquista de grandes objetivos exige mais de cada um de nós. Por isso, quero que você pare um instante a leitura por aqui e reflita sobre as pessoas mais bem-sucedidas da história, antiga ou moderna. Vou ainda desafiá-lo a encontrar um único exemplo de um desses caras que acordava ou acorda sem ter seu dia planejado ou que ainda acorde bem tarde. Os nomes mais brilhantes em todas as áreas do conhecimento têm por hábito cuidar muito bem da parte da manhã, e fazem isso acordando cedo, muito cedo.

    O exercício físico está mais do que comprovado como fundamental para a liberação de hormônios responsáveis pelo bem-estar, que garantem sinapses coerentes ao longo do dia e, acredite, você precisará dessa boa condição para respirar, refletir e controlar impulsos emocionais, estabelecer melhor fluxo sanguíneo para as decisões mais difíceis, e em todas essas atividades você será demandado a se comunicar, seja na escrita, verbalmente, orientando pessoas, conduzindo processos e em tantas outras atividades.

    Eu sei que é penoso se lembrar do que vou dizer agora, mas viver a vida em estado automático pode nos colocar em situações de risco e arriscar a vida de outros, como a fatalidade de esquecer um filho no banco de trás do carro com consequências irreparáveis. Bem, tão importante quanto o exercício físico é definitivamente resolver sua relação com a comida. Estar ligado no que você come é como abastecer seu carro com o combustível correto e de boa qualidade para o desempenho do motor. Simples assim. E o que isso tem a ver com a sua comunicação? Tudo. Novamente, a questão neural, em que todas as conexões são recebidas, processadas e precisam ter o combustível correto para acontecerem de forma inteligente, criativa, clara e, em muitos casos, positivamente surpreendente.

    Procure não se basear aqui em exemplos de outras pessoas, pois na questão de alimentação sabemos que existe muita especificidade, mas identificar alimentos que fazem com que você se mantenha mais presente, focado e alerta pode fazer muita diferença nos seus resultados. Atingir um estado mental, espiritual e físico em que tudo colabora com você e com seus objetivos é extremamente possível e há muitas pessoas que já usufruem dessa condição. Alguns estudos nessa área se desenvolveram e pessoas que atuam em alta performance, que realizam suas atividades sem perceberem que o dia se passou e o fazem com grande prazer são identificadas em estado de “flow”.

    Defina sua verdade e viva-a
    Construir sua imagem, trabalhar no desenvolvimento de sua reputação e ser uma marca de si mesmo exigem sua total observância aos valores que escolheu viver. Identifique quais são esses valores, escreva-os e, de alguma forma, deixe-os claros em sua personalidade, perfil e atividades. Acima de tudo, e uma das coisas que mais recomendo, é apreciar e ter a verdade em tudo que você é e faz. Assim, caso chegue o momento em que você seja questionado por algo, sua reputação falará mais alto e você poderá contar com a força da sua imagem para se defender. Certamente você terá mais espaço, mais abertura e contará com mais compreensão.

    comentários