Sim, o capital humano pode ajudar as empresas durante a crise

0
1846

Em tempos de retração econômica, uma das áreas que mais sofrem com o corte de custos é o departamento de Recursos Humanos, não só com a redução no quadro de funcionários, mas também com a diminuição dos investimentos na gestão de pessoas. Quando falamos de tecnologia para gerenciar capital humano, o cenário é ainda mais desafiador.

As empresas não vivem sem esses processos, então por que não os fazem com o auxílio da tecnologia? A resposta é simples: o País não tem a cultura de utilizar e explorar softwares de gestão para apoiar ações desse tipo, algo que vai além da situação financeira.

Sim, o capital humano pode ajudar as empresas durante a criseNo Brasil, o uso de softwares para controlar a folha de pagamento é amplamente difundido por ser uma obrigação legal. Se o não fizer, a organização é multada pelo Ministério do Trabalho. O mesmo acontece com o ponto eletrônico.

Há ainda uma grande parcela dessas empresas que realiza outras atividades, como recrutamento e seleção, treinamentos e gestão de desempenho dos seus colaboradores, de maneira manual ou com o uso de planilhas, um processo que consome muitas horas.

O maior desafio é conscientizar os gestores que investir na melhoria desses fluxos, mesmo em tempos de crise, é vantajoso e traz retorno financeiros para a empresa.

Os recursos para isso já estão disponíveis no mercado. Hoje, a área de Recursos Humanos pode contar com soluções de uso fácil e intuitivo, móveis, que exigem poucos cliques e proporcionam ao profissional de RH uma boa experiência de gestão e trabalho. Mas os resultados só aparecerão com a mudança de mentalidade e com a consciência de que com os investimentos certos, haverá retorno. Diversas pesquisas já comprovaram que promover ações que façam os funcionários se sentirem integrados, engajados e parte da empresa, aumenta a sua satisfação e consequentemente a sua produtividade.

Um exemplo de otimização com uso de tecnologia são os treinamentos internos. No setor de manufatura, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), exige que os colaborares façam treinamentos periódicos. Com ferramentas de TI, é possível fazer esse curso online, economizando materiais e tempo, além de facilitar a participação de pessoas que estejam em locais distintos.

Essas ferramentas também possibilitam aumentar a frequência da capacitação sem aumentar os custos, dando à organização profissionais mais qualificados. Isso ainda pode ser potencializado com o mapeamento estruturado dos perfis e talentos que garante que as competências necessárias serão desenvolvidas, e o mais importante, alinhadas ao negócio da organização.

No entanto, não podemos esquecer dos processos organizacionais, que precisam estar maduros e bem estruturados. A tecnologia é uma peça fundamental, mas é necessário que a empresa saiba para onde está caminhando e tenha uma estratégia de negócios clara para priorizar e tirar melhor proveito do seu capital humano, especialmente em momentos de cenário econômico delicado.

Marcelo Cosentino, head de Services da TOTVS

comentários